GracieMag - Sensō Jiu Jitsu

GracieMag

Leandro Lo comenta vitória dupla sobre Erberth Santos no Brasileiro de Jiu-Jitsu May 01 2017

Leandro comemora mais uma conquista na carreira. Foto: Flashsport

Todos os olhares estavam voltados a ele no ginásio José Correa, em Barueri, no último final de semana. Semblante calmo, kimono alinhado, faixa-preta na cintura e seu patch da NS Brotherhood nas costas. Leandro Lo era o mais badalado e mais aguardado atleta a pisar no tatame 12 do Campeonato Brasileiro de Jiu-Jitsu, que chegou à sua 21° edição neste ano de 2017.

Mais pesado que outrora, o ex-peso leve e agora peso pesado se arriscou na divisão de cima, na de superpesados, com duas intenções: testar mais uma vez o seu fino Jiu-Jitsu e encontrar numa possível final o atleta número um do ranking faixa-preta da IBJJF: Erberth Santos.

Erberth vinha de ritmo alucinante nos campeonatos, ao faturar peso e absoluto, com e sem kimono, em boa parte das disputas que participou. Neste brasileiro, voltaria a encontrar o rival que lhe roubou o ouro na Copa Podio, e a expectativa para o duelo era imensa. Lo, contudo, conseguiu cumprir a sua missão e bateu Erberth no torneio, não uma, mas duas vezes, na decisão do super pesado e na disputa do ouro absoluto.

Em entrevista exclusiva ao GRACIEMAG.com, Leandro comentou suas duras batalhas contra Erberth, e exaltou o adversário.

“A primeira eu comecei perdendo. Foi mais difícil, tive que buscar a luta. É muito difícil fazer as posições nele. Ele é muito duro e explosivo. Na segunda eu quedei mas ele me raspou logo em seguida. Consegui a segunda queda, mas ele está sinistro. Lutei este Brasileiro mais porque a torcida do Jiu-Jitsu merecia ver esse clássico. Não porque sou eu, mas porque a luta entre nós dois prometia. Barueri voltou a lembrar aqueles tempos de Roger, Jacaré, Tererê, Margarida, todo mundo vibrando muito”, disse a fera ao nosso repórter antes de deixar o pódio com duas medalhas e receber um terno beijo de sua namorada, Dani Bolina.

Antes de partir para a comemoração do título, pintou uma última pergunta. Será que Lo havia gostado de competir nos superpesados e mirava a categoria como aquecimento para um absoluto no Mundial de Jiu-Jitsu deste ano? A resposta veio na ponta da língua:

“No Mundial eu volto para os pesados. No superpesado foi muito difícil.” Largo sorriso e vida que segue.

E para você, amigo leitor, Leandro Lo tem as armas necessárias para se manter imbatível e conquistar ouro duplo também no Mundial da Califórnia? Comente conosco!

A cobertura do Campeonato Brasileiro 2017 é um oferecimento de STORMSTRONG.

logo recortada preto e cinza