GracieMag - Sensō Jiu Jitsu

GracieMag

Brasil faz história no judô com prata no Mundial de Equipes, nova prova dos Jogos Olímpicos September 03 2017

Equipe brasileira que conquistou o vice-campeonato no Mundial Por Equipes Mistas. Foto: Paulo Pinto/CBJ

Após conquistar quatro medalhas nas disputas individuais, o Brasil garantiu seu quinto pódio neste domingo, 03, ao chegar à final do inédito Mundial Por Equipes Mistas de Judô, prova que estreará em Olimpíadas nos Jogos de Tóquio 2020. Na decisão contra a forte seleção do Japão, o Brasil ficou com a medalha de prata e encerrou sua melhor participação em mundiais fora de casa, com um ouro, duas pratas e dois bronzes ao todo, além do quarto lugar geral no individual.

“Começar o primeiro Campeonato Mundial pós Olimpíada com esse resultado de cinco medalhas só dá mais motivação, não só aos atletas, como à comissão técnica, à direção da CBJ, aos nossos patrocinadores”, disse Ney Wilson, gestor de Alto Rendimento da CBJ. “Isso aumenta muito a autoconfiança de toda a equipe, o que é fundamental num início de ciclo olímpico para que a gente possa construir ao longo dos próximos três anos um trabalho que nos permita fazer um resultado semelhante em Tóquio.”

Onze atletas foram inscritos para a única prova coletiva do Mundial: Érika Miranda (57kg), Rafaela Silva (57kg), Maria Portela (70kg), Maria Suelen Altheman (+70kg), Beatriz Souza (+70kg), Marcelo Contini (73kg), Eduardo Katsuhiro (73kg), Victor Penalber (90kg), Eduardo Bettoni (90kg), Rafael Silva (+90kg) e David Moura (+90kg).

Nas preliminares, os seis judocas escalados para os duelos iniciais venceram 14, das 18 lutas disputadas. A equipe superou Polônia e Canadá por cinco a um para avançar à semifinal. Na sequência, o Brasil bateu a Rússia por 4 a 2 e classificou-se para a primeira decisão do Mundial por Equipes da história.

Na decisão, o Japão trouxe seus principais atletas, quatro deles medalhistas de ouro ou prata neste Mundial no individual, e venceu todos as seis lutas.

“Tem algo especial na competição por equipes mistas e gostei muito da energia. É um pouco diferente, mas é muito bom. O resultado de seis a zero não demonstra a realidade do que foi o confronto, pois foram lutas muito divididas, algumas decididas por detalhes no golden score. É um ótimo resultado para começarmos a nos preparar para os Jogos de Tóquio”, avaliou Victor Penalber após a final.

Para Maria Portela, a introdução da competição por equipes mistas foi bom para o Brasil pelo país ter atletas fortes tanto no masculino, quanto no feminino em diversas categorias.

“Estou bem satisfeita com nossos resultados, apesar de não conseguirmos marcar nenhum ponto na final. Estou muito feliz com a medalha de prata. A competição por equipes mistas deu certo para os atletas do Brasil, pois nossa seleção é formada por judocas talentosos tanto no masculino, quanto no feminino. Entrar no tatame e lutar não só por você, mas por todos que estão com você na equipe. Nós somos muito bons nisso”, concluiu.

O caminho do Brasil até a final

OITAVAS-DE-FINAL: BRASIL 5 X 1 POL

O primeiro adversário foi a Polônia em duelo válido pelas oitavas-de-final. Para este combate, a seleção foi escalada com: Rafaela Silva (57kg), Marcelo Contini (73kg), Maria Portela (70kg), Eduardo Bettoni (90kg), Maria Suelen Altheman (+70kg) e David Moura (+90kg).

A campeã olímpica abriu o duelo com vitória por waza-ari e Marcelo Contini (73kg) ampliou a vantagem com uma vitória por ippon. Maria Portela (70kg) imobilizou Karolina Talach por 20 segundos e marcou o terceiro ponto brasileiro. Eduardo Bettoni (90kg) jogou Piotr Kuczera por um waza-ari, marcou o quarto ponto e garantiu o Brasil nas quartas. Maria Suelen Altheman (+70kg) também imobilizou Anna Zaleczna até o ippon e aumentou o placar para 5 a 0. A Polônia conseguiu um ponto de honra no último combate com Maciej Sarnacki imobilizando David Moura por 20 segundos. Resultado final: Brasil 5 x 1 Polônia.

QUARTAS-DE-FINAL: BRASIL 5 X 1 CANADÁ

Novamente, Rafaela Silva abriu o confronto, mas caiu de waza-ari para Jessica Klimkait. Marcelo Contini levou um waza-ari de Antoine Bouchard, respondeu com outro e imobilizou o adversário no golden score para empatar a disputa. Maria Portela, também no golden score, superou Kelita Zupancic por um waza-ari, e Victor Penalber ampliou a vantagem para 3 a 1, com dois waza-aris sobre Louis Krieber Gagnon (90kg). Maria Suelen imobilizou Portuondo na quarta luta e garantiu o Brasil na semifinal com o quarto a um. Por fim, Rafael Silva jogou Kyle Reyes por waza-ari e fechou o placar.

SEMIFINAL: BRASIL 4 X 2 RÚSSIA

Rafaela Silva começou bem, com vitória por um waza-ari sobre Anastasiia Konkina. Na segunda luta, Eduardo Katsuhiro (73kg) forçou uma punição por passividade a Uali Kurzhev, no golden score, e fez o segundo ponto do Brasil. Em luta equilibrada no terceiro encontro, Maria Portela (70kg) foi paciente para finalizar Alena Prokopenko no quarto minuto do golden score, imobilizando a adversária por 20 segundos (ippon). A Rússia diminuiu, com Igor Igolnikov jogando Penalber de ippon, mas Maria Suelen Altheman, em grande forma, pontuou com um waza-ari e, na sequência, imobilizou Sokolova, anotou sua terceira vitória por ippon e garantiu o Brasil na final. Renat Saidov superou Rafael Silva na última luta, mas já era tarde. Brasil 4, Rússia 2.

FINAL: BRASIL 0 X 6 JAPÃO

O primeiro duelo foi entre duas gigantes. A campeã olímpica Rafaela Silva e a vice-campeã mundial Tsukasa Yoshida. No tempo normal, a luta terminou empatada nas punições (2-2) e, depois de mais de dois minutos de golden score, Rafaela foi imobilizada pela japonesa. No segundo combate, Marcelo Contini (73kg) encarou o campeão mundial Soichi Hashimoto, que pontuou com um waza-ari e ampliou a vantagem. O Japão abriu três a zero com Chizuru Arai que fez luta parelha com Maria Portela e venceu pela vantagem mínima de uma punição no golden score. Kenta Nagasawa (90kg) forçou três punições a Victor Penalber e marcou o quarto ponto japonês, já garantindo o ouro. Em seguida, Maria Suelen Altheman (+70kg) foi imobilizada pela vice-campeã mundial Sarah Asahina. No último combate, Rafael Silva (+90kg) sofreu o waza-ari com dois minutos e meio de golden score com Takeshi Ojitani, fechando o placar em seis a zero para os japoneses.

Entenda como funciona a competição por equipes mistas

Neste tipo de prova, cada confronto entre países tem seis lutas. Vence o duelo o país que tiver o maior número de vitórias individuais. O primeiro critério de desempate é o número de vitórias por ippon e o segundo é o número de vitórias por waza-ari. Se ainda assim o empate permanecer, será sorteada uma categoria de peso para fazer a luta final de desempate no formate de golden score, ou seja, o atleta que obtiver a primeira vantagem, mesmo que seja apenas uma punição, vence.

É a primeira vez que Federação Internacional de Judô está testando esse modelo de disputa com equipes formadas por homens e mulheres. O evento já está confirmado no programa oficial dos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020, também de forma inédita.

Antes, as provas por equipes era separadas por gênero e não eram disputadas nas Olimpíadas. Nesse formato, o Brasil tem quatro pratas e dois bronzes, no masculino, além de um bronze e uma prata, no feminino.

(Fonte: Assessoria de imprensa)


Campeão de Jiu-Jitsu, Augusto Tanquinho vibra com estreia no Brasil pelo UFC August 30 2017

Campeão mundial na faixa-preta, fera do Jiu-Jitsu terá seu próximo desafio no Brasil. Foto: Zuffa LLC via Getty Images

Enquanto a grande maioria dos lutadores brasileiros sonham em se apresentar no exterior, Augusto Tanquinho vai na contramão. Carioca, o peso-galo fez todos os seus combates no cartel competindo nos Estados Unidos, onde vive e treina atualmente, mas chegou a tão aguardada oportunidade de lutar diante da família, amigos e fãs brasileiros. Tanquinho encara Boston Salmon no UFC São Paulo, dia 28 de outubro, no Ginásio do Ibirapuera, na capital paulista.

Há seis anos morando no Arizona, nos Estados Unidos, Tanquinho realizou todas as oito lutas de seu cartel profissional no MMA no país. Foram seis triunfos e apenas duas derrotas desde então. No Brasil, o atleta apenas disputou competições de Jiu-Jitsu e grappling, o que torna seu quarto combate no octógono do UFC ainda mais especial.

“Quando recebi o convite do UFC para lutar no Brasil, foi uma sensação muito boa. Lutar pelo evento no meu país será um sonho realizado. Estou muito animado, ainda mais por lutar contra um norte-americano. Já consigo imaginar a torcida cantando, fazendo um barulho enorme. Não terei que dividir a torcida com meu adversário, vou ter a galera toda ao meu lado”, comemora o carioca, aos risos.

De fato, o apoio da torcida brasileira será bem-vindo para Tanquinho. Em três combates pelo UFC, o lutador venceu Frankie Saenz no início deste ano, e amargou dois reveses na organização. O mais recente diante de Aljamain Sterling, em abril passado, por pontos. A força que virá do público presente na arena será uma motivação extra para o brasileiro.

“O apoio da galera será fundamental para conseguirmos uma vitória juntos. Eu sou o tipo de atleta que cresce com a força da torcida. Sentir os fãs ao meu lado, me apoiando, me empurrando para vencer, fará a diferença. Com certeza, meu adversário nunca passou por isso, sentir essa pressão. Vou tirar proveito de cada segundo desse clima, dessa torcida fanática ao meu lado, e isso vai me motivar ainda mais para fazer uma grande luta e presentear o Brasil com uma grande vitória”, analisa.

O embate entre Tanquinho e Boston Salmon colocará frente a frente dois lutadores oriundos de escolas diferentes, mas de carteis no MMA bem semelhantes. Tricampeão mundial de Jiu-Jitsu, o brasileiro é dono de seis vitórias e duas derrotas, enquanto o norte-americano, especialista em boxe, exibe seis triunfos e um revés, e fará sua estreia no octógono. Além da torcida, Tanquinho confia na experiência como mais um ponto favorável a seu favor.

“Meu adversário é um cara duro, tem uma boa trocação. Temos carteis parecidos, mas a diferença está na qualidade dos oponentes que enfrentamos. Eu só peguei pedreira, antes de lutar pelo UFC e no evento também. Ele ainda não encarou ninguém do meu nível, e não é melhor do que os caras que enfrentei no UFC. Então estou confiante para conquistar uma boa vitória, confiante no meu potencial e no apoio da torcida brasileira”, acredita.

Antes do UFC, o ADCC

Augusto Tanquinho é movido por desafios. Inquieto na busca pela evolução, o lutador, mesmo focado no MMA, se coloca em provação em competições de Jiu-Jitsu, modalidade na qual ele conquistou o Mundial de 2013 e os Mundiais Sem Kimono de 2012 e 2015, além dos títulos do Abu Dhabi World Pro de 2011 e 2013. Porém, em sua lista de conquistas, ainda falta a glória máxima no ADCC.

Por isso, nos dias 23 e 24 de setembro, na Finlândia, Tanquinho vai em busca do inédito triunfo. “O ADCC é o único título dos eventos grandes que ainda não tenho. Gosto muito de lutar Jiu-Jitsu e me testar entre os melhores, então nada melhor do que competir o torneio deste ano. Não vai me atrapalhar em nada na preparação para a luta no UFC. Na verdade, vai até ajudar. Estou empolgado para me sair muito bem nos dois desafios que tenho pela frente”, encerra.

(Fonte: Assessoria de imprensa)


O que esperar de Anderson Silva e Lyoto Machida nos UFCs China e SP? August 17 2017

Banner que anuncia oficialmente o duelo entre o Aranha e Gastelum. Foto: Divulgação

Ex-campeões do UFC, os veteranos cascas-grossas Anderson Silva e Lyoto Machida estão de compromisso marcado no UFC. Anderson terá pela frente Kelvin Gastelum, no UFC China, no dia 25 de novembro. Já Lyoto encara Derek Brunson na luta principal do UFC em São Paulo, no dia 28 de outubro, como informou o Combate.com .

Lyoto vem de longa suspensão, enquanto Anderson luta pra voltar ao ritmo de outrora. Sem contar que ambos os adversários são bem mais novos que seus respectivos oponentes. Portanto, o que esperar dos brasileiros em suas próximas atuações na jaula do Ultimate?

Já confirmado pelo UFC, o duelo entre o Aranha e Gastelum promete sacudir a Mercedez Bens Arena, em Xangai. Os dois já estiveram designados a lutar, no último UFC Rio, mas o americano de raízes latinas acabou suspenso por uso de maconha, e a luta foi cancelada.

Anderson, que em sua mais recente batalha superou Derek Brunson na decisão dos jurados, segue entre a elite do peso médio, mesmo que suas últimas apresentações não lembrem tanto o temido campeão do passado. Kelvin, com mãos poderosas e bom jogo de quedas, pode ser um pesadelo para Anderson na batalha em curta distância, mas o brasileiro já surpreendeu muita gente no octógono do UFC, e não seria de espantar que uma reviravolta do Aranha, com boas esquivas e contragolpes certeiros, desse ao ex-rei dos médios a vitória.

Para o combate de Lyoto, a situação pode ser um pouco mais adversa. Suspenso desde o dia 8 de abril de 2016, por uso de substância não aprovada pela USADA, o ex-campeão dos meio-pesados terá para o seu retorno o casca-grossa Brunson, que vem de bela vitória sobre Dan Kelly no UFC Nova Zelândia, em junho passado. Para o brasileiro, o controle da distância e sua defesa em pé com uso de contragolpes podem ser as chaves para bater o americano, que deve vir para cima com toda a sua pujança.

E para você, amigo leitor, Anderson Silva e Lyoto Machida têm armas para vencer em seus próximos compromissos no UFC? Poste nos comentários e debata conosco!


Será que Anderson Silva vai vingar Vitor Belfort no UFC Rio? March 15 2017

Banner oficial do UFC que confirma o duelo entre as feras. Foto: Divulgação

Após bater Vitor Belfort em seu último duelo, Kelvin Gastelum terá pela frente mais um astro brasuca dos cages. Com pedido aceito, o americano foi agendado para encarar Anderson Silva no UFC 212, que rola no Rio de Janeiro no próximo dia 3 de junho. Mas a pergunta que fica é: será que Anderson tem as armas e pujança necessárias para bater Gastelum e vingar Belfort?

Anderson vem de sucesso sobre Derek Brunson, obtido na decisão unânime dos jurados em seu mais recente duelo. Antes, a fera encarou Daniel Cormier e Nick Diaz. Contudo, a vitória sobre Brunson foi a primeira desde seu revés para Chris Weidman. Recordista no UFC, o Aranha conta com 16 vitórias consecutivas no evento e dez defesas de titulo.

Já Gastelum vem de três vitórias seguidas, incluindo o recente nocaute técnico sobre o experiente Belfort no UFC Fortaleza. Logo após sua vitória, o lutador expressou sua vontade de desafiar Anderson Silva e acabou atendido. Gastelum, que foi campeão do “TUF 17”, é considerado um dos grandes talentos do UFC atualmente, com um cartel de 9 vitórias e 2 derrotas.

O evento conta também com José Aldo, que irá encarar Max Holloway pelo cinturão interino dos penas na luta principal da noite. E você, amigo leitor, acha que Anderson conseguirá a vitória, ou Gastelum terá mais um ídolo brasuca batido no currículo? Comente conosco!


UFC Fortaleza: Belfort é superado; Cowboy e Trator finalizam com o Jiu-Jitsu March 11 2017

Gastelum venceu Belfort com propriedade na noite desse sábado. Foto: Zuffa LLC via Getty Images

Em noite de grandes emoções, o UFC realizou sua primeira edição no Brasil em 2017 neste sábado, dia 11, em Fortaleza, no Ceará. Na luta principal, o astro Vitor Belfort acabou nocauteado pelo jovem e sedento Kelvin Gastelum, ainda no primeiro assalto. Na luta coprincipal, Mauricio Shogun mostrou pressão e venceu Gian Villante por nocaute técnico.

Na última luta da noite, o imparável Vitor Belfort encarou o duro Kelvin Gastelum, em duelo de cinco assaltos programados na divisão de pesos médios do UFC. Com rapidez nos golpes e vontade de vencer, Belfort não se intimidou e foi pra cima. Contudo, Gastelum jogou bem no contragolpe e conseguiu dois duros knockdowns, o que obrigou John McCarty a encerrar o combate ainda no primeiro assalto, ao declarar nocaute técnico.

“Eu tenho mais uma luta no contrato, gostaria muito que ela fosse no Rio. A derrota faz parte, vamos levantar a cabeça, não foi uma noite legal para mim”, disse Belfort para o público em Fortaleza, com o indício que sua próxima batalha será a de despedida, após 20 longo anos em ação contra os melhores atletas do UFC.

Destaque também para a atuação de gala do carismático Alex Cowboy contra o rival Tim Means. No duelo, o brasileiro abusou das quedas para desnortear Means. Para liquidar a fatura, Cowboy derrubou, botou os ganchos e laçou o pescoço do adversário para apertar um belo mata-leão.

Outros destaques ficaram para o estrangulamento de Michel Trator sobre o veterano Josh Burkman, para o nocautaço de Edson Barboza sobre Beneil Dariush e para a finalização de Kevin Lee sobre Francisco Massaranduba que parou a sequência de sete vitórias seguidas do brasileiro. Confira abaixo os resultados completos:

UFC Fortaleza
Fortaleza, Ceará
11 de março de 2017

Kelvin Gastelum venceu Vitor Belfort por nocaute técnico aos 3min52s do R1
Maurício Shogun venceu Gian Villante por nocaute técnico aos 59s do R3
Edson Barboza venceu Beneil Dariush por nocaute aos 3min35s do R2
Ray Borg venceu Jussier Formiga na decisão unânime dos jurados
Bethe Correia e Marion Reneau terminou em empate majoritário
Alex Cowboy finalizou Tim Means no mata-leão aosaos 2min38s do R2
Card preliminar
Kevin Lee finalizou Francisco Massaranduba no mata-leão aos 3min12s do R2
Serginho Moraes venceu Davi Ramos na decisão unânime dos jurados
Joe Soto venceu Rani Yahya na decisão unânime dos jurados
Michel Trator finalizou Josh Burkman no estrangulamento do norte-sul a 1min42s do R1
Jeremy Kenedy venceu Rony Jason na decisão unânime dos jurados
Paulo Borrachinha venceu Garreth McLellan por nocaute técnico a 1min17s do R1


Paulo Miyao, Pé de Chumbo e Mamute disputam vagas no ADCC Rio neste sábado February 03 2017

Miyao faz sua segunda investida para o ADCC 2017. Foto: Gabriel Srur/ADCC

Tudo pronto para a segunda e última seletiva brasileira para o ADCC 2017. O evento, que rola neste sábado, dia 4, define mais cinco atletas brasucas que estarão no evento maior da organização de Abu Dhabi, que rola em setembro, em Helsinque, na Finlândia.

Na lista de inscritos, alguns nomes conhecidos do fã de Jiu-Jitsu, e GRACIEMAG compilou algumas das feras para você ter uma ideia do que esperar do evento, realizado no Grajaú Country Club, no Rio de Janeiro.

Feras como Paulo Miyao, Delson Pé de Chumbo e Gabriel Fedor, campeões mundias de Jiu-Jitsu, Renan Sancar e Leozada Nogueira e Leonardo Chocolate, que já faturaram seletivas anteriores do ADCC, e outras feras sem kimono, como Joaquim Mamute, Bruno Bastos, Cláudio Caloquinha, Victor Genovesi, Victor Honório e Alberto Ramos, estão na disputa.

Confira abaixo nossa lista de destaques e poste nos comentários os seus favoritos para o título!

66kg

FERNANDO CARSALADE PENA (GB-BH)
PAULO MIYAO (PSLPB CICERO COSTHA)
PEDRO NOBRE (RIO FIGHTERS)
ROGER TAKAYAS (PITBULL)
VICTOR GENOVESI (ALLIANCE)

77kg

CLAUDIO CALOQUINHA (GB-BH)
DANIEL HORTEGAS (RIO FIGHTERS)
GABRIEL ROLLO (CHECKMAT)
LEOZADA NOGUEIRA (GUILHOTINA FIGHT)
LUAN CARVALHO (NOVA UNIÃO)
MARCELO LAPELA (CHECKMAT)
RENAN SANCAR (ATOS)
RODRIGO AKILLIS (ALLIANCE)

88kg

DELSON PÉ DE CHUMBO (PITBULL)
PATRICK GÁUDIO (GFTEAM)
THIAGO SÁ (CHECKMAT)

99kg

ALBERTO RAMOS (GFTEAM)
ARMANDO SAPINHO (RIO FIGHTERS)
SALOMÃO RIBEIRO (ALLIANCE)

+99kg

BRUNO BASTOS (BRUNO BASTOS ASSOCIATION)
GABRIEL LUCAS FEDOR (CHECKMAT)
JOAQUIM MAMUTE (MAMUTE JIU-JITSU)
KITNER MOURA (ALMEIDA JJ)
LEONARDO LUCIO CHOCOLATE (RFT)
VICTOR HONÓRIO (GFTEAM)


Maurício Shogun encara Gian Villante no UFC em Fortaleza January 06 2017

Shogun tem novo duelo agendado no UFC. Foto: Josh Hedges/Zuffa LLC via Getty Images

Shogun tem novo duelo agendado no UFC. Foto: Josh Hedges/Zuffa LLC via Getty Images

Mais uma luta de peso foi confirmada para o card do UFC em Fortaleza, evento informado primeiro por GRACIEMAG. Além da luta principal entre Vitor Belfort e Kelvin Gastelum, na divisão de médios, o ex-campeão do UFC Maurício Shogun entre na briga, e encara Gian Villante nos meio-pesados.

O card, marcado para o dia 11 de março, terá Shogun (24v-10d) vindo de bom momento no UFC. Com duas vitórias seguidas no cartel, contra Rogério Minotouro e Corey Anderson, o curitibano visa mais um sucesso para se manter estável na divisão.

Já Villante (15v-7d) vem de alternância entre vitórias e derrotas em suas últimas cinco lutas. Em seu duelo mais recente no UFC, bateu Saparbek Safarov por nocaute técnico, em dezembro de 2016.

E para você, amigo leitor, quem vence este combate? Comente conosco!


Jiu-Jitsu: Relembre os melhores lances das três últimas edições do ADCC December 29 2016

Um dos grandes torneios sem kimono do mundo do Jiu-Jitsu, o ADCC se tornou referência quando o assunto é juntar grandes nomes do grappling em geral para lutar pelo ouro de seu campeonato.

Com edições a cada dois anos, a competição idealizada pelo xeque Tahnoon Bin Zayed já realizou duelo memoráveis e lances de tirar o fôlego. Para relembrar suas três últimas edições, na Inglaterra, China e Brasil, assista ao vídeo abaixo e reveja grandes lances do torneio.


Rodolfo Vieira encara quirguistanês em sua estreia no MMA December 14 2016

Imagem divulgada pelo Real Fight para anunciar o adversário de Rodolfo. Foto: Reprodução

Imagem divulgada pelo Real Fight para anunciar o adversário de Rodolfo. Foto: Reprodução

Com sua estreia no MMA marcada para o dia 11 de fevereiro, no Real Fight 6, evento japonês que chega a São Paulo no ano que vem, Rodolfo Vieira já sabe quem será seu oponente.

Confirmado nas redes sociais do evento, Rodolfo terá pela frente Daniiar Zarylbek, do Quirguistão, em duelo de meio-pesados.

Pouco se sabe sobre o adversário de Rodolfo. Informações não-oficiais indicam que Zarylbek possui sete lutas profissionais no MMA, o que faz dele um adversário bem mais experimentado que Rodolfo, que parte para seu debute no esporte de luvas.

Fique ligado em GRACIEMAG para mais informações quentes sobre o Real Fight e a estreia do campeão mundial Rodolfo Vieira.


UFC prepara eventos no nordeste e no Rio para 2017; Belfort desafia Anderson November 25 2016

Uma revanche entre Belfort e o Aranha é esperada para os próxmos eventos no Brasil. Foto: Divulgação

Uma revanche entre Belfort e o Aranha é esperada para os próxmos eventos no Brasil. Foto: Divulgação

Por Marcelo Dunlop e Carlos Arthur Jr.

O calendário do UFC para 2017 já começou a ser formado, e a maior organização de MMA do planeta segue com planos ambiciosos para o Brasil, em especial para o primeiro semestre do ano que vem.

Segundo o GRACIEMAG.com apurou, o UFC sob nova direção, após a troca bilionária da antiga Zuffa pela empresa de investimentos WME-IMG, já começou a se preparar para um UFC no Rio de Janeiro com um card estelar, provavelmente no mês de junho.

A confirmação da data ainda depende de alguns fatores, como a mudança de secretarias com a eleição do novo prefeito do Rio, Marcelo Crivella. Reformada, a Arena Olímpica, anteriormente conhecida como HSBC Arena, é o destino mais provável para a edição.

Antes de mais um UFC Rio, o octagon mais famoso do mundo deve aportar em março no nordeste do Brasil. Fontes ligadas à organização apontam que Fortaleza, no Ceará, deve ser a cidade escolhida para mais uma edição do Fight Night. O ginásio Paulo Sarasate é uma opção, por ter realizado anteriormente uma edição do evento, mas ainda não está confirmado.

Segundo declarações de Vitor Belfort, o lutador carioca deve estar num desses dois cards. Cresce a expectativa, também, pela presença do lendário Anderson Silva, que nocauteou Belfort em 2011. Belfort já tratou de começar a botar lenha na fogueira:

“Quero essa revanche. Nunca foi nada pessoal contra o Anderson, ele tinha o que eu queria, que era o título. Mas acho que é uma luta que os fãs querem ver, e o UFC está disposto a sentar e negociar. Sei que eles querem fazer grandes lutas”, declarou o faixa-preta de Carlson Gracie ao Giro Combate.

Gostaria de ver um UFC em Fortaleza ou no Rio, amigo leitor fã de Jiu-Jitsu? Qual seria o card dos seus sonhos para esse evento?