Mundial 2016: Andresa Correa à beira da conquista do grand slam no Jiu-Jitsu May 27 2016

Andresa em ação no Pan deste ano. Foto: Ivan Trindade

Andresa em ação no Pan deste ano. Foto: Ivan Trindade

Andresa Correa é sem sombra de dúvidas uma das grandes favoritas ao título absoluto do Mundial de 2016. A competidora da Alliance traz na bagagem o ouro duplo em três dos maiores eventos já realizados este ano, e isto certamente conta como combustível extra para buscar o título na Pirâmide de Long Beach, na próxima semana.

Tudo começou em janeiro deste ano, no Europeu, ao bater Karolina Zawodnik no meio-pesado e Mackenzie Dern no absoluto. Depois no Pan, ao finalizar Leah Taylor na chave de pé pelo ouro do meio-pesado e faturar o absoluto após a lesão de Dominyka Obelenyte. Já no Brasileiro, Andresa estrangulou Tanie Mabel na final do meio-pesado e bateu Mackenzie Dern mais uma vez, pelo ouro no peso aberto.

Agora, para sacramentar o ano perfeito, Andresa parte com tudo para o Mundial. Mas antes, a fera deu uma pausa nos treinos para conversar com GRACIEMAG sobre as suas expectativas para a competição. Confira!

GRACIEMAG.com: Você faturou o ouro duplo no Europeu, Pan e Brasileiro deste ano. Se conseguir o mesmo feito no Mundial, será a primeira faixa-preta a completar o ‘grand slam’ do Jiu-Jitsu. Isso te deixa pressionada? Como você está mentalmente preparada para o Mundial?

Andresa Correa: Todo lutador sonha com o grand slam no Jiu-Jitsu, e eu estou no momento da minha carreira no qual estou prestes a conquistar o que eu me dediquei tanto para conseguir. Claro, isso coloca um pouco mais de pressão sobre mim, mas eu só quero chegar lá e dar o meu melhor. Eu estou um pouco ansiosa, mas também muito motivada. Acima de tudo, estou muito feliz de estar apta a tudo isto.

Certa vez você nos disse que dirigia da sua cidade até São Paulo, várias vezes na semana, para treinar na matriz da Alliance. Como está sua rotina de treinos e quão preparada você está para atuar em Long Beach?

Eu fiz o caminho de Bragança Paulista até a capital toda a semana por sete anos. São 200km sempre que eu faço o trajeto, isso sem contar as horas perdidas no trânsito. Faço a viagem sempre com a mochila cheia de roupas e equipamento, e também as marmitas. Minha rotina de treinos inclui yoga, cinco treinos de pano e preparação física em Bragança. A yoga me ajuda muito com o meu foco, minha correção postural e força. No geral, estou muito motiva e mais do que pronta para o Mundial.

Um duelo contra Dominyka, atual campeã do absoluto Mundial, quase rolou no Pan, não fosse a lesão da americana. Vocês duas estão entre as favoritas ao ouro no aberto. Você tem pensado nela durante seus treinos?

A Dominyka é uma grande atleta e muito talentosa, mas a possibilidade de encarar ela não mudou nada nos meus treinos. Eu gosto de me preparar para qualquer possibilidade de luta, e eu sei que no nível que o esporte está, todos os combates são duros. Se eu tiver que enfrentar ela, espero que seja uma grande batalha.

Fique ligado em GRACIEMAG para a cobertura completa do Mundial de Jiu-Jitsu de 2016!