DJ antecipa luta com Leandro Lo no Mundial e aponta aspecto mais temido do rival November 01 2013

DJ Jackson quer manter título entre os médios. Foto: Ivan Trindade/GRACIEMAG

O bicho promete pegar a partir de sábado, durante o Mundial de Jiu-Jitsu Sem Kimono, em Long Beach, e a divisão dos médios está infestada de tubarões da faixa-preta.

Atual campeão da categoria, após derrotar Clark Gracie, DJ Jackson (Lloyd Irvin) falou dos treinos, da lição reaprendida no ADCC em Pequim e de um dos principais rivais na categoria, o recém-chegado à categoria Leandro Lo. Sempre bom de papo, o americano trocou boas lições com GRACIEMAG. Aprenda algumas a seguir:

GRACIEMAG: O que você aprendeu no ADCC em Pequim, onde perdeu apertadopara AJ Agazarm?

DJ JACKSON: Reaprendi a velha lição que já sei, de jamais deixar a luta ir para a decisão dos árbitros. Não importa como foi a luta, se você acha está ganhando ou perdendo; você precisa marcar pontos, oufinalizar. Sei que caí dentro e lutei duro, mas sempre posso lutar ainda mais duro.

Pretende mudar algo no seu jogo para defender seu título neste domingo?

Não, meu jogo é perfeitamente adequado para Mundial Sem Kimono, tenho um ótimo wrestling e uma ótima passagem de guarda, e venci assim o torneio no ano passado, com este meu jogo. Então, não vou consertar o que não está quebrado.

Como anda sua guarda, caso você caia por baixo?

Lloyd Irvin nos prepara para todos os aspectos de uma luta de Jiu-Jitsu, e minha guarda está afiada também. Mas sei que eu não vou precisar usar meu jogo de guarda neste Mundial.

Ano passado, você parou no absoluto diante de Leandro Lo, eventualvice-campeão após perder para Xande Ribeiro. Agora você e Lo estão na mesma categoria e podem se enfrentar. O que você pensaria em anular primeiro no jogo dele?

Sua guarda-X. Foi assim que ele conseguiu a vantagem vencedora da última vez em que lutamos. Estou trabalhando duro para me livrar desse ponto forte dele, e manter minha pressão por cima a luta toda. Sei que o Lo hoje é um dos caras a ser batido, mas ninguém é invencível neste esporte, exceto talvez o Marcelo Garcia [risos]. Lo não tem muitas falhas no seu jogo e sua guarda é extraordinária e complicada de passar. Mas vou ter dez minutos para marcar pontos nele, e sei que sou capaz disso.