Caio Terra analisa barataplata que finalizou Nam Phan e fala do valor das derrotas no Jiu-Jitsu November 16 2013

Caio Terra  aplicando a barataplata em Nam, na Jiu-Jitsu Expo. Foto: Ivan Trindade/ GRACIEMAG

Caio Terra aplicando a barataplata em Nam, na Jiu-Jitsu Expo. Foto: Ivan Trindade/ GRACIEMAG

Talvez por ter sido um dos alunos mais fraquinhos da academia quando começou a treinar, Caio Terra é daqueles campeões que não se ligam apenas nas conquistas: “Para um professor de Jiu-Jitsu, perder é até mais importante do que vencer”, comenta o faixa-preta, que na última Jiu-Jitsu Expo, dias 9 e 10 de novembro, foi um dos destaques ao finalizar o lutador do UFC Nam Phan, numa das superlutas.

Em bate-papo com GRACIEMAG, Caio tentou explicar a finalização, falou do seminário que deu com Carlos Condit, e deu dicas para você melhorar constantemente no Jiu-Jitsu.

GRACIEMAG: Como foi esta finalização que você usou para pegar o Nam Phan na Jiu-Jitsu Expo?

CAIO TERRA: É uma chave de ombro que meu amigo Rafael Barata me mostrou. Chama-se barataplata e ele acabou de lançar um DVD com esta posição. Tem tantos detalhes que vai ser impossível descrever por palavras [risos]. Achei que a luta foi legal, tentei mostrar um Jiu-Jitsu solto e entreter o público, então espero que os espectadores tenham gostado.

Como foi dividir o tatame com outros grandes nomes do Jiu-Jitsu e do MMA? Você inclusive deu um seminário concorrido junto com seu amigo Carlos Condit.

Achei o evento melhor que o de 2012. Para mim em particular foi um fim de semana perfeito, pude acompanhar alguns dos seminários e adorei os GPs, principalmente o dos faixas-marrons [vencido por Tim Spriggs]. As superlutas foram excelentes e, além disso tudo, pude ficar em contato com um público que ama o Jiu-Jitsu tanto quanto eu. Sem esquecer que eu ainda pude dividir um pouco do meu Jiu-Jitsu através do seminário com Carlos. Nossa, foi tanta coisa. No final eu ainda fui premiado como atleta mais técnico do ano pelas mãos do Renzo Gracie, no Jiu-Jitsu Awards. Não tem como dizer que não foi um fim de semana perfeito pra mim.

Você compete no Jiu-Jitsu por muitos anos. Já superou derrotas e voltou muito melhor que antes. O que você faz para ser manter motivado?

Perder faz parte, aqueles que não perdem também não sabem ganhar. Para um professor de Jiu-Jitsu perder é até mais importante do que vencer, pois só assim você sabe o que seus alunos estão passando e como fazer para que eles não se abalem ou se desmotivem. Eu amo o Jiu-Jitsu e espero continuar evoluindo e buscando novas posições sempre.